terça-feira, 6 de agosto de 2013

O Campo Magnético do Sol Está se invertendo

Algo grande está prestes a acontecer no sol. 



De acordo com as medições feita através dos observatórios da NASA, o vasto campo magnético do Sol está prestes a inverter.



“Parece que nós não temos mais do que 3 a 4 meses para acontecer uma completa inversão de campo,” diz o físico solar Todd Hoeksema da Universidade de Stanford. “Esta mudança terá efeito cascata em todo o sistema solar.”

O campo magnético do sol muda a polaridade aproximadamente a cada 11 anos. Isso acontece no pico de cada ciclo solar quando o dínamo magnético interno do sol se reorganiza. A reversão marcará o ponto médio do Solar Cycle (Ciclo Solar) 24.

Hoeksema é o diretor do Observatório Solar Wilcox de Stanford, um dos poucos observatórios do mundo que monitoram os campos magnéticos polares do sol. Os pólos são um arauto da mudança. Assim como os cientistas na Terra que estudam as regiões polares de nosso planeta podem prever sinais de mudança climática, os físicos solares fazem a mesma coisa para o sol. Os magnetogramas em Wilcox rastreiam o magnetismo polar do sol desde 1976, e eles gravaram três grandes reversões – e um quarto será gravado em um futuro próximo.
O físico solar Phil Scherrer, também em Stanford, descreve o que acontece: “ Os campos magnéticos polares do sol enfraquecem, vai a zero, e, em seguida, surgem novamente com a polaridade oposta. Está é uma parte regular do ciclo solar.”
A inversão do campo magnético do sol é, literalmente, um grande evento. O domínio de influência magnética do sol (também conhecida com a “heliosfera”) se estende a bilhões de quilômetros além de Plutão.
Quando os físicos solares falam de reversões do campo solar, a conversa muitas vezes gira em torno da “camada geral”. A “camada geral” é uma superfície extensa projetada para fora do equador do sol, onde o campo magnético lentamente rotativo do sol induz uma corrente elétrica. A corrente em si é pequena, apenas um décimo de bilionésimo de um amp por metro quadrado (0,0000000001 amps/m2), mas há muita coisa: a corrente flui através de uma região de 10,000 km de espessura e bilhões de quilômetro de largura. Eletricamente falando, toda a heliosfera está organizada em torno desta enorme camada.
Durante a inversão de campo, a camada atual torna-se muito ondulada. Scherrer compara as ondulações com as emendas de uma bola de beisebol. Como a Terra orbita o sol, mergulhamos dentro e fora da camada atual. As transições de uma lado para o outro podem provocar tempestades espaciais em torno do nosso planeta.
Os raios cósmicos também são afetados. Trata-se de partículas de alta energia aceleradas quase que a velocidade da luz em explosões de supernovas e outros acontecimentos violentos na galáxia. Os raios cósmicos são um perigo para os astronautas e sondas espaciais, e alguns pesquisadores dizem que poderiam afetar a nebulosidade e o clima da Terra. A camada atual age como uma barreira aos raios cósmicos, desviando-os quando eles tentam penetrar no interior do sistema solar. A camada ondulada age como um escudo contra essas partículas energéticas vindas do espaço profundo.
Como a inversão de campo se aproxima, os dados de Wilcox mostram que os dois hemisférios do sol estão fora de sincronia.
“O pólo norte do sol já mudou o sinal, enquanto o pólo sul está correndo para recuperar o atraso,” diz Scherrer. “Em breve, no entanto, ambos os pólos serão revertidos, e na segunda metade do ‘Solar Max’ (Máxima Solar) estará em andamento.”
Quando isso acontecer, Hoeksema e Scherrer irão compartilhar a notícia com seus colegas e com o público.
Fonte: 

Nenhum comentário:

link within

Related Posts with Thumbnails

Sua Frase