quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Vídeo - Supertufão Haiyan atinge a cidade de Tacloban - Filipinas

Supertufão Haiyan atinge 

a cidade de Tacloban - Filipinas



Estima-se que o número de mortos com a passagem do supertufão Haiyan pelas Filipinas possa chegar a 10 mil, mas as autoridades ainda têm muita dificuldade em avaliar a destruição e o tamanho dessa tragédia.


Os primeiros relatos que chegam da região informam que a cidade litorânea de Tacloban ficou totalmente devastada, com casas completamente destruídas, árvores e postos arrancados, e destroços para todos os lados.



Com rajadas de ventos que atingiram 315 km/h, Haiyan é considerado um dos tufões mais fortes a chegar a uma área de terra. Classificado na categoria cinco, a mais elevada na escala de Saffir-Simpson, o supertufão passou pelas Filipinas na manhã da última sexta-feira.




Vídeos - POR DENTRO DE UM POÇO

IMAGENS DE UM POÇO

Neste caso o fluido de perfuração é a água.



go deep!

Vídeo - INCRÍVEL BLOW OUT EM POÇO DE PETRÓLEO

INCRÍVEL BLOW OUT  EM POÇO DE PETRÓLEO 


O acidente aconteceu no Cazaquistão, confira as imagens:



É Hidrocarboneto pra tudo quanto é lado!!

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Tório uma nova revolução nuclear?


Você já imaginou reatores nucleares a prova de fusão? Ou um mundo onde acidentes como os de Fukushima e Chernobyl seriam coisas do passado?





No futuro, com os novos reatores nucleares a tório, cujo ponto de fusão é muitíssimo mais  elevado, esses desastres não mais irão ocorrer. No momento existem poucos reatores nucleares movidos a tório no mundo. No entanto países como China, Japão, Inglaterra e Austrália estão estudando um novo tipo de reator nuclear que usa sais de tório, não de urânio e que operam a baixa pressão, produzem temperaturas mais elevadas, com menores custos operacionais e permitem, também, um maior controle das mudanças de temperatura. Esta nova geração de reator nuclear vai mudar completamente a história da energia nuclear. Tratam-se dos reatores movidos por fluoreto líquido de tório o LFTR. 
Um dos pontos mais importantes destes reatores tipo LFRT é a segurança e a estabilidade. Eles  podem ser desativados imediatamente caso ocorra uma falha, o que não acontece nos demais reatores como o de Fukushima no Japão que até hoje, mais de 2 anos e meio do acidente, ainda está ativo e poluindo o meio ambiente. Os LFTR também geram resíduos mas esses podem ser neutralizados em muito menos tempo e descartados, sem prejuízos, ao meio ambiente. Os LFTR não geram elementos tipo plutônio que podem ser utilizados em armas nucleares e bombas atômicas. É uma nova tecnologia que já está sendo chamada de gerador verde e que atrai a atenção de muitos investidores destacando-se Bill Gates.
Em breve iremos ver esses reatores a tório substituindo os milhares de reatores nucleares obsoletos, que já começam a ser fechados em vários países.
E o Brasil?
O Brasil será um dos países exportadores de tório. Temos recursos muito elevados desse metal, contido em areias monazíticas que ocorrem ao longo do litoral brasileiro.

Fonte: Geologo.com.br

sábado, 14 de setembro de 2013

"MONOPÓLIO" BRASILEIRO DO NIÓBIO GERA COBIÇA MUNDIAL, CONTROVÉRSIA E MITOS

"MONOPÓLIO" BRASILEIRO DO NIÓBIO GERA

 COBIÇA MUNDIAL, CONTROVÉRSIA E MITOS





Um metal raro no mundo, mas abundante no Brasil, considerado fundamental para a indústria de alta tecnologia e cuja demanda tem aumentado nos últimos anos, tem sido objeto de controvérsia e de uma série de suspeitas e informações desencontradas que se multiplicam na internet – alimentando teorias conspiratórias e mitos sobre a dimensão da sua importância para a economia mundial e do seu potencial para elevar o Produto Interno Bruto (PIB) do país.

Trata-se do nióbio, elemento químico usado como liga na produção de aços especiais e um dos metais mais resistentes à corrosão e a temperaturas extremas. Quando adicionado na proporção de gramas por tonelada de aço, confere maior tenacidade e leveza. O nióbio é atualmente empregado em automóveis, turbinas de avião, gasodutos, em tomógrafos de ressonância magnética, na indústria aeroespacial, bélica e nuclear, além de outras inúmeras aplicações como lentes óticas, lâmpadas de alta intensidade, bens eletrônicos e até piercings.

O mineral existe no solo de diversos países, mas 98% das reservas conhecidas no mundo estão no Brasil. O país responde atualmente por mais de 90% do volume do metal comercializado no planeta, seguido pelo Canadá e Austrália. No país, as reservas são da ordem de 842.460.000 toneladas e as maiores jazidas se encontram nos estados de Minas Gerais (75% do total), Amazonas (21%) e em Goiás (3%).

Segundo relatório do Plano Nacional de Mineração 2030, o Brasil explora atualmente 55 substâncias minerais, respondendo por mais de 4% da produção global, e é líder mundial apenas na produção do nióbio. No caso do ferro e do manganês, por exemplo, em que o país também ocupa posição de destaque, a participação na produção global não ultrapassa os 20%.

Tal vantagem competitiva em relação ao nióbio desperta cobiça e preocupação por parte das grandes siderúrgicas e maiores potências econômicas, que costumam incluir o nióbio nas listas de metais com oferta crítica ou ameaçada. É isso também que alimenta teorias de que o Brasil vende seu nióbio “a preço de banana”; que as reservas nacionais estão sendo “dilapidadas”; e que o país está “perdendo bilhões” ao não controlar o preço do produto.

A chamada “questão do nióbio” não é um assunto novo. Um dos seus porta-vozes mais ilustres foi o deputado federal Enéas Carneiro, morto em 2007, que alardeava que só a riqueza do mineral seria o suficiente para lastrear toda a riqueza do país. O nióbio já chegou a ser relacionado até com o mensalão, após o empresário Marcos Valério afirmar na CPI dos Correios, em 2005, que o Banco Rural conversou com José Dirceu sobre a exploração de uma mina de nióbio na Amazônia.

Em 2010, um documento secreto do Departamento de Estado americano, vazado pelo site WikiLeaks, incluiu as minas brasileiras de nióbio na lista de locais cujos recursos e infraestrutura são considerados estratégicos e imprescindíveis aos EUA . Mais recentemente, o nióbio voltou a ganhar os holofotes em razão da venda bilionária de uma fatia da Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM), maior produtora mundial de nióbio, para companhias asiáticas. Em 2011, um grupo de empresas chinesas, japonesas e sul coreana fechou a compra de 30% do capital da mineradora com sede em Araxá (MG) por US$ 4 bilhões.

Independente do debate muitas vezes ideológico por trás da questão e dos mitos que cercam o mineral, o fato é que o quase ‘monopólio’ da oferta ainda não resultou numa política específica para o nióbio no Brasil ou programa voltado para o desenvolvimento de uma cadeia industrial que vise agregar valor a este insumo que praticamente só o país oferece.

Saiba mais em http://goo.gl/N8w88


Fonte: G1

Link MGB: http://www.mgb.ba.gov.br/novidades/monopolio-brasileiro-do-niobio-gera-cobica-mundial-controversia-e-mitos/




quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Vídeo - A sonda Curiosity completa um ano em Marte

A sonda Curiosity completou no último dia 5 de Agosto de 2013 seu primeiro ano em solo marciano

E a NASA publicou um vídeo em homenagem a sua saga extraterrestre
confira:

terça-feira, 6 de agosto de 2013

O Campo Magnético do Sol Está se invertendo

Algo grande está prestes a acontecer no sol. 



De acordo com as medições feita através dos observatórios da NASA, o vasto campo magnético do Sol está prestes a inverter.



“Parece que nós não temos mais do que 3 a 4 meses para acontecer uma completa inversão de campo,” diz o físico solar Todd Hoeksema da Universidade de Stanford. “Esta mudança terá efeito cascata em todo o sistema solar.”

O campo magnético do sol muda a polaridade aproximadamente a cada 11 anos. Isso acontece no pico de cada ciclo solar quando o dínamo magnético interno do sol se reorganiza. A reversão marcará o ponto médio do Solar Cycle (Ciclo Solar) 24.

Hoeksema é o diretor do Observatório Solar Wilcox de Stanford, um dos poucos observatórios do mundo que monitoram os campos magnéticos polares do sol. Os pólos são um arauto da mudança. Assim como os cientistas na Terra que estudam as regiões polares de nosso planeta podem prever sinais de mudança climática, os físicos solares fazem a mesma coisa para o sol. Os magnetogramas em Wilcox rastreiam o magnetismo polar do sol desde 1976, e eles gravaram três grandes reversões – e um quarto será gravado em um futuro próximo.
O físico solar Phil Scherrer, também em Stanford, descreve o que acontece: “ Os campos magnéticos polares do sol enfraquecem, vai a zero, e, em seguida, surgem novamente com a polaridade oposta. Está é uma parte regular do ciclo solar.”
A inversão do campo magnético do sol é, literalmente, um grande evento. O domínio de influência magnética do sol (também conhecida com a “heliosfera”) se estende a bilhões de quilômetros além de Plutão.
Quando os físicos solares falam de reversões do campo solar, a conversa muitas vezes gira em torno da “camada geral”. A “camada geral” é uma superfície extensa projetada para fora do equador do sol, onde o campo magnético lentamente rotativo do sol induz uma corrente elétrica. A corrente em si é pequena, apenas um décimo de bilionésimo de um amp por metro quadrado (0,0000000001 amps/m2), mas há muita coisa: a corrente flui através de uma região de 10,000 km de espessura e bilhões de quilômetro de largura. Eletricamente falando, toda a heliosfera está organizada em torno desta enorme camada.
Durante a inversão de campo, a camada atual torna-se muito ondulada. Scherrer compara as ondulações com as emendas de uma bola de beisebol. Como a Terra orbita o sol, mergulhamos dentro e fora da camada atual. As transições de uma lado para o outro podem provocar tempestades espaciais em torno do nosso planeta.
Os raios cósmicos também são afetados. Trata-se de partículas de alta energia aceleradas quase que a velocidade da luz em explosões de supernovas e outros acontecimentos violentos na galáxia. Os raios cósmicos são um perigo para os astronautas e sondas espaciais, e alguns pesquisadores dizem que poderiam afetar a nebulosidade e o clima da Terra. A camada atual age como uma barreira aos raios cósmicos, desviando-os quando eles tentam penetrar no interior do sistema solar. A camada ondulada age como um escudo contra essas partículas energéticas vindas do espaço profundo.
Como a inversão de campo se aproxima, os dados de Wilcox mostram que os dois hemisférios do sol estão fora de sincronia.
“O pólo norte do sol já mudou o sinal, enquanto o pólo sul está correndo para recuperar o atraso,” diz Scherrer. “Em breve, no entanto, ambos os pólos serão revertidos, e na segunda metade do ‘Solar Max’ (Máxima Solar) estará em andamento.”
Quando isso acontecer, Hoeksema e Scherrer irão compartilhar a notícia com seus colegas e com o público.
Fonte: 

VÍDEO - A evolução da Lua

O vídeo do dia é sobre a formação do nosso satélite natural.

Apreciem sem moderação



Eu vi no: Xpock

domingo, 21 de julho de 2013

Imagens do dia - BÓLIDOS

Imagens do Dia


Quem lembra deste meteorito na Russia?

Esta imagem é formada pelas órbitas do planeta Terra e Marte




Cometas do sistema solar que podem colidir com a Terra


BÔNUS



Iridescência em Rutilo (TiO2)



Obrigado pela visita, volte sempre e não esqueça de fuçar os posts antigos!

quinta-feira, 30 de maio de 2013

30 de Maio de 2013 - DIA DO GEÓLOGO

Parabéns Geólogos

E por quê não parabenizar todos os estudantes de Geologia?

São o futuro da Geologia mundial e estão por todos os cantos levando o conhecimento Geológico fresquinho em suas mentes.

Aqui vai mais vídeo para a sua coleção.



Olhe a seu redor e verá que sem a Geologia a sociedade estaria mais encrencada do que já está.


Asteroid 1998 QE2



Um asteroide de 2,7 km de diâmetro está passando bem próximo da Terra nos dias 30-31 de Maio de 2013.
“Além de analisar os riscos potenciais, o estudo de asteroides e cometas permite uma valiosa oportunidade de aprender mais sobre as origens do nosso sistema solar, a fonte de água na Terra e inclusive a origem das moléculas orgânicas que levaram ao desenvolvimento da vida”, diz NASA.

A NASA conseguiu filmar a sua passagem, veja no vídeo abaixo:

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Por que a terra treme no Brasil


Por que a terra treme no Brasil

Sismólogos propõem uma nova explicação para os terremotos no país
IGOR ZOLNERKEVIC e RICARDO ZORZETTO | Edição 207 - Maio de 2013



segunda-feira, 1 de abril de 2013

LIVRO - Manual of Mineralogy - Cornelius Klein & Cornelius S. Hurlbut, Jr.


Manual of Mineralogy - Cornelius Klein & Cornelius S. Hurlbut, Jr.


Maravilhe-se com este super livro, agora disponível no Blog Geologia do Quinário



https://onedrive.live.com/?cid=D9FF3CDDFEC1E0CA&id=D9FF3CDDFEC1E0CA%21231&parId=D9FF3CDDFEC1E0CA%21152&o=OneUp

Clique no link da imagem para baixar o livro.





BONÛS



http://www.handbookofmineralogy.org/

GEOLOGIA SEM FRONTEIRAS


Projeto GEOLOGIA SEM FRONTEIRAS


GEOLOGIA SEM FRONTEIRAS, CONHECIMENTO SEM BARREIRAS


Com o intuito de ampliar o conhecimento e proporcionar novas parcerias, esta nova parte  do Blog Geologia do Quinário vem expor reportagens publicadas no  Jornal da ENEGE (Executiva Nacional dos Estudantes de Geologia).



Sobre o Projeto Geologia Sem Fronteiras podemos dizer que é  destinado a estudantes e geólogos do Brasil e do mundo, e também  de pessoas que tiveram a oportunidade de uma vivência geológica fora do país. Estamos entrando em contato com as mais diversas pessoas dos mais variados lugares do mundo geológico, como de áreas da geologia.
O propósito destes espaço é consolidar  como fonte de informação internacional e intercambio de idéias.
As sementes  deste projeto já começaram a brotas frutos:


Felipe
 Galant, o Bunitu é quem está no comando desta série de postagens.

Foto de Marte em 360º

Passeie e veja a incrível foto de Marte em 360º

Gostou? Comente!


terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

[VÍDEOS] Canal do YOUTUBE - GEOLOGIA DO QUINÁRIO

Canal GEOLOGIA DO QUINÁRIO


E o BLOG Geologia do Quinário nunca dorme, o canal do youtube não para!!!!

Confira:
http://www.youtube.com/playlist?list=FLJkmknRv0_uvsrd7MyPuDcA

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

METEORO 2012 DA14 [15/02/2013]

Assista o meteoro 2012 DA14 se aproximando da órbita lunar ao vivo no vídeo abaixo:





Diagrama que representa a passagem do asteróide 2012 DA14 através do sistema Terra-Lua em 15 de fevereiro de 2013.
 credito da ImageNASA/JPL-Caltech

E de bônus veja o meteoro que caiu na Rússia dos melhores ângulos:



Ajuda da NASA?
http://www.nasa.gov/mission_pages/asteroids/main/index.html



O meteoro estilhaçou-se quando estava a entre 30 km e 50 km da superfície da Terra. A energia liberada foi de “vários quilotons”, segundo a academia. O governo local informou que 985 pessoas procuraram cuidados médicos por cortes causados pelos estilhaços de vidros que se quebraram em razão da onda expansiva provocada pela queda do corpo celeste. 

“Às 9h20 (horário local, 1h20 em Brasília), um objeto em alta velocidade foi observado nos céus de Chelyabinsk, deixando um grande rastro atrás de si. No prazo de dois minutos houve dois estrondos”, afirmou Yuri Burenko, funcionário do setor de emergência, por meio de nota. “A onda de choque quebrou vidros em Chelyabinsk em uma série de cidades da região”, disse ele. Não há até o momento relatos de pessoas atingidas por fragmentos do meteorito. 


Fonte http://www.correio24horas.com.br/noticias/detalhes/detalhes-1/artigo/meteoro-que-caiu-na-russia-pesava-10-toneladas-quase-mil-ficam-feridos/

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

[LIVRO] INTRODUCTION TO ORE-FORMING PROCESSES


INTRODUCTION TO ORE-FORMING PROCESSES


Baixe já!! *

Dê uma olhada no nosso HD virtual que está cheio de novidades e não esqueça de assistir os vídeos do canal aqui no blog!!

ENJOY the ride...

( *Agradecimentos a RIVALDO VIEIRA SANTOS que disponibilizou os links para download)

[LIVRO] Applied Mineral Inventory Estimation


Applied Mineral Inventory Estimation



Mais um ótimo livro para a nossa coleção, curta!!

http://www.4shared.com/office/2_H9otnc/Applied_Mineral_Inventory_Esti.html

[LIVRO] Introduction to mineral exploration 2nd Edition Charles J. Moon, Michael K.G. Whateley

Introduction to mineral exploration 2nd Edition Charles J. Moon, Michael K.G. Whateley

Livro ótimo para a área da Geologia Econômica.
baixe já!

link within

Related Posts with Thumbnails

Sua Frase